Um mês na estrada

Sabíamos que tinha tudo para ser fácil – era como se pudéssemos prolongar a sensação de “estar de férias”, durante muito tempo. Tínhamos feito muitas pesquisas, mas apenas as suficientes e necessárias para haver margem para nos surpreendermos. Para aprendermos em conjunto, para partilharmos as descobertas. Viajar é isso, e é, assumidamente, aquilo que nós, pais, gostamos de fazer. A estreante Pikitim ainda não sabia se gostava ou não de viajar, mas já sabia que gosta de estar com os pais – e muito. De repente, já passou um mês de estrada e esta pequena grande aventura já nos levou a três países diferentes. Já podemos fazer um balanço, ainda que curto. Se está a ser como esperávamos? Está a ser melhor.

Nos três países por que já passamos (Singapura, Tailândia e Malásia) encontramos muitas diferenças entre si, e ainda diferenças assinaláveis em relação à cultura em que crescemos. A Pikitim vai anotando essa diversidade. Repara que uns comem com pauzinhos, outros com as mãos; pergunta porque há meninas que andam na praia todas tapadas, sempre com lenços na cabeça; nota que há senhoras que usam “vestidos lindos e uma pinta na testa”. E tudo encara com naturalidade. Aceitar a diversidade também é isso – questionar, sem pôr em causa.

 Jogar Geofamily, desenhar e pintar foram as atividades de eleição no primeiro mês de viagem.
Jogar Geofamily, desenhar e pintar foram as atividades de eleição no primeiro mês de viagem

O gosto por conhecer e por viajar também está, aparentemente, a ficar enraizado. Há um mês fora da sua “zona de conforto”, nunca a Pikitim pediu para voltar para casa – nem mesmo quanto esteve doente. Diz que andamos a fazer como o Tom Saywer, “a descobrir o mundo e a viver aventuras”, e até já antecipou que quando for mais crescida vai ter uma trabalheira a fazer e a carregar malas (algo que agora delega nos pais), desde já assumindo que viajar é algo que quer continuar a fazer.

A naturalidade com que encara as deslocações entre os vários destinos, e a curiosidade que demonstra sobre onde será e como vai ser a casa seguinte é algo que chega a surpreender. Chama sempre casa ao teto que nos abriga, e parece fazê-lo no duplo sentido. Mal chega a um sítio gosta de arranjar um espaço para arrumar as suas coisas – os livros, os cadernos, as Polly Pocket, a Barbie, o mp3. Habituada a um quarto repleto de brinquedos e a prateleiras cheias de livros, esta míngua de variedade ainda não a incomodou. Só por uma vez referiu que poderia ter trazido “as canetas de pintar na pele”, porque “seria divertido fazermos tatuagens uns aos outros e cabiam na mochila”. Das várias casas em que estivemos, apenas três tinham televisão. Nunca pediu para as ligar.

Experimentar novas sensações tem feito parte da viagem
Experimentar novas sensações costuma ser uma alegria

É quase incrível como a Pikitim deixou de pedir para comprar coisas, algo que fazia com insistência em Portugal. Talvez porque saiba que, para alguma coisa extra entrar na sua mochila, terá de lá tirar outra. A exceção ocorreu com umas havaianas de salto alto (sim, é verdade!). “Ó mãe, são mesmo o meu número! Porque não posso levá-las?”, insistiu com umas enfiadas nos pés. Foi no mercado noturno em Langkawi, na Malásia, onde ela e a primeira amiguinha a sério que fez nesta viagem – a Margarida, de Peniche – se divertiram a experimentar calçado e a espreitar a roupa (são meninas, e vaidosas, está visto!) mas, sobretudo, se deliciaram a ver tanta comida diferente. Como o fruto “que cheira a chulé”, o durian, ou o arroz embrulhado em folhas de bananeira e molhos de muitas cores.

Em termos de socialização, o período em Langkawi foi talvez o ponto alto da viagem até ao momento. Porque não havia qualquer barreira de comunicação e as afinidades entre as amigas eram muitas. Têm quase a mesma idade e, gostam das mesmas coisas: de bonecas, de desenhar, de brincar ao faz de conta. Até então, a Pikitim interagiu com muitos meninos – e chegava a ser engraçado a forma como, não sabendo a língua, se punha a fazer gestos… a verdade é que conseguiu quase sempre fazer-se entender. Mas nunca lhe foi tão fácil brincar com alguém como com a Margarida; e também por isso experimentou a tristeza pela separação depois de quatro dias inteiros, sempre juntas.

Brincar em português com a Margarida foi uma alegria
Brincar em português com a Margarida foi um dos pontos altos do primeiro mês na estrada

Nos quatro dias em que brincou com a Margarida, a mãe e o pai tiveram descanso e nunca mais foram “requisitados” para brincar com as Polly Pocket ou para jogar Geofamily – um jogo de cartas em que a Pikitim se especializou. Porque até então, essas “requisições” eram frequentes e intensas, o que obriga a que um dos pais esteja sempre disponível, mesmo que não apeteça ou tenha outros planos.

A questão da socialização é, para já, a única que não está a decorrer dentro das nossas expectativas de pais – o que não quer dizer que esteja a correr mal. Tínhamos quase a certeza de que a Pikitim haveria de querer falar muitas vezes com os primos e os amigos, para contar as aventuras e partilhar as descobertas. Mas nunca quer falar. Pior, se o Skype está ligado, e do outro lado estão os amiguinhos da escola, diz que “ainda não está preparada” e que “não quer falar”, e esconde-se atrás do monitor. E se não quer falar com os que ficam em Portugal, também não está ainda solta para tentar interagir com os que a abordam nos países porque passamos. “Então, Pikitim, o Sr. Oom deu-te um chocolate, e tu não lhe dizes obrigado? Nem em português?”, chegamos a repreendê-la, depois de um gesto simpático. Primeiro respondeu que “tinha vergonha”, depois replicou que não tinha sido mal educada, porque lhe tinha dado “um sorriso”.

Acima de tudo, temos passado tempo de qualidade em família
Acima de tudo, temos passado tempo de qualidade em família

Outro aspeto que não era inesperado, mas que aconteceu muito cedo na viagem, foi o facto de a Pikitim ter ficado doente. Depois de uma semana de angústias intermitentes e três dias de desespero – ainda é a melhor palavra que encontro para a sensação de ver um filho sem conseguir comer –, o balanço foi feito pelo pediatra : “Foi uma pequena intercorrência chata mas sem grande importância… no Porto também há estomatites víricas”.

Já passaram 30 dias, a viajar juntos, a dormir juntos (às vezes até na mesma cama!), a comer, a brincar e a aprender, sempre juntos.  E quase não demos por ela. Venham mais 300.

Comentários

  1. Daniel Rebelo says

    Excelente texto. Gostei particularmente como falas de certos sentimentos que a muitos custa. Beijos grandes para as duas e um daqueles abraços para o Gra…, Filipe. :-)

  2. Rui Munhoz says

    Luísa e Filipe.
    Obrigado por nos permitirem partilhar dos v.sentimentos nessa vaigem perfeita com a Pikitim. Estou certo de que em cada semana, seremos cada vez em maior número, os que saboreiam as v. palavras escritas. Aproveitem todos esses maravilhosos momentos com a Inês, pois ela, ao crescer, talvez esqueça, mas para v. Luísa e Filipe, serão como lembranças inesquecíveis, mesmo daqui a muitos e muitos anos. Boa viagem.

    • says

      Obrigada pelas encorajadoras palavras, Rui. Sabe bem pensar que, a cada semana, temos mais amigos a acompanhar a nossa pequena grande aventura. Para nós será inesquecível, para a Pikitim também será com certeza, pelo menos na maior parte. De uma coisa temos certeza, as sementes ficarão plantadas.

  3. Filipe e Camy says

    Gostámos muito desta súmula do vosso 1º mês nesta volta ao mundo. Das belas vivências ás menos boas experiências ( caso da tal estomatite… ) tudo tem um significado marcante. Fixe é sentir-vos bem, a gozar esse saudável convívio familiar vivendo experiências únicas. Bjs e abração ao homónimo ( a Piktim está uma nadadora e “snorklinguista” fantástica ! )

  4. Conceição Pimenta says

    Muito Bom!

    Fico à espera do próximo texto. (ainda bem que Fevereiro é mais
    curtinho…)
    ;)

  5. says

    Continuação de boa viagem e de aventuras!
    às vezes quando as saudades são muitas ouvir e ver e não poder tocar é muito doloroso! Percebo a Pitikim perfeitamente! (a minha cachopa quando mudou da creche para o jardim-de-infância deixou de querer ver os videos de quando andava na creche…)

  6. Pedro Ramos says

    Olá Luísa

    Tenho acompanhado a vossa aventura com grande interesse e pareceu-me adequado mandar-lhe um beijinho num comentário a um post intitulado “Um mês na estrada”.
    Desejo-vos tudo de bom.

    • says

      Olá Pedro
      Que boa surpresa! Na estrada, sempre! É onde fazemos o nosso caminho. Caminhando. Com ou sem buracos, com ou sem portagens (de preferência sem elas, ehehe…), e, sobretudo, muito longe das contínuas notícias de crise, dívida publica, taxas soberanas, aumentos de impostos e coisas que tais. Mas caminhando, sempre.
      Um beijinho das Filipinas!
      Luísa

  7. Joana says

    Olá amigos! Fepois de ler e voltar a ler os vossos textos não posso deixar de enviar um grande beijinhos ainda de Bkk. A nossa viagem está a chegar ao fim…faltam 10 dias. Foi muito bom estar connvosco, a Margarida e a Inês ainda brincarão muito concerteza! Agora façam o favor de continuar a enviar notícias felizes e divertidas… da parte que me toca, não vos aborrecerei com as crises e os frios que nos esperam!! beijinhos muto grandes para os 3 e um abraço muito apertadinho da Margarida para a Pikitim!!!

    • says

      Olá Joana e Margarida
      Pois, a Pikitim continua a falar muito de vocês. E a relembrar-nos que,quando chegarmos a Portugal, “havemos de ir a Peniche”… Está combinado!
      Façam um bom regresso, e continuem a dar notícias. Agora, estamos nós a caminho de Kuala Lumpur…
      Têm algumas dicas?
      Beijinhos

  8. Joana Custoias says

    Olá aos 3! Não pensam fazer um desvio na vossa rota e parar em Timor-Leste? Vivo cá há pouco mais de um ano (podem acompanhar esta aventura aqui http://onovoselvagem.blogspot.com/). Se vierem cá, avisem! Faço-vos um tour pelas maravilhas desta ilha =) Boa sorte e continuação de boa viagem!

  9. Joana says

    bem, neste momento já devem estar em KL…posso aconselhar a Little India..uma viagem de mono rail…a zona mais turistica da cidade Bintang walk. Outra zona que deve ser engraçada mas eu só lá andei meio perdida…procurem O Coliseu de Kuala Lumpur ( muito tosco e café anos 50) pareceu ser interessante!! mas como disse andei ali mesmo perdida! atenção: os malaios em KL quase nunca dizem que não sabem uma direcção…por isso apontam para qualquer lado…mesmo que seja na direcção oposta!!foi uma aventura!!
    beijinhos e lá vos esperamos em Peniche daqui a muitas aventuras. Beijinhos grandes

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *